Meu trigésimo primeiro aniversário

Neste primeiro de maio de 2013 completei meu trigésimo primeiro aniversário. As usual, sem grandes festas, sem barulho. Apenas a família mais próxima reunida para um simples almoço e um simples bolinho de celebração. Quando digo “simples”, quem conhece minha querida mãe, a dona Terezinha, entende seu real sentido, ou seja, a simplicidade de um almoço saboroso como poucos já provados e a calorosa hospitalidade como pouquíssimas já vistas.

Na verdade, é o retrato do que realmente busco na vida: simplicidade e a sensação de ser querido (e conhecido como alguém que retribui o carinho recebido).

É claro que este novo mundo das redes sociais passa a superlativa impressão de amplitude, uma quase celebridade. São incontáveis parabéns respondidos com curtidas e curtas frases de retribuição à lembrança por mais um ano vivido. Em meus pensamentos analogo as dezenas de cliques como pessoas em um evento feito em minha homenagem. Cada enter é como um tapinha nas costas após um rápido abraço. Mas, no meio de tantos abraços, existem alguns poucos que você faz questão de apertar mais e por mais tempo, de saber que a troca vai muito além de um cumprimento.

É como um diálogo:

  • Você sabe o tamanho da importância deste abraço?
  • Sim, claro. E todo ano sinto que a importância aumentou.

A vida é assim. Os abraços apertados são fundamentais para renovar as forças e fazer sentir-se parte de algo maior, intangível.

Voltando ao tema do post, resolvi publicar anualmente um texto que descreva minhas conquistas e desafios vividos nos últimos 365 dias de minha vida. Desta forma, poderei rever meus passos, aprender com eles, e deixar um relato para filhos e netos.

Pois então, celebro:

  • um grande aprendizado profissional, responsável pela conquista de vários degraus rumo à plena satisfação nesta área.

  • atitudes tomadas em prol da organização de meu tempo. Hoje consigo executar todas as semanas tudo que planejo. Leitura, escrita, estudo, exercícios, atividades profissionais, enfim, tudo passou a ter seu momento reservado em meu dia.

  • a perda de quinze quilos e a consequente mudança de estilo de vida, mais saudável, com exercícios e alimentação equilibrada e, principalmente, sem ter de abrir mão dos prazeres de vida para alcançar o objetivo, ou seja, não abri mão de nenhuma pizzada um churrascada com amigos, não entrei em nenhuma dieta maluca e, claro, sem doping (risos).

  • uma grande vitória familiar, conquistada com muito suor após quase uma década de batalhas.

As falhas e fraquezas deixarei em branco, afinal, no ano que vem me lembrarei muito bem delas ao celebrar minhas próximas vitórias.

Nenhum comentário.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *