Fazer o bem por amor. Estou no céu.

Recomendo a música Amor incondicional, do Jorge Camargo, durante a leitura deste post.

FilhotinhosWell, well… Esses últimos sete dias foram um turbilhão físico e mental para mim e minha esposa. Passamos por um corredor polonês de sentimentos e sensações. Dó, pena, amor, raiva, muita raiva, cansaço e, agora começa a vir a saudade. Confesso que os principais destes, que estavam sempre brigando pela primeira colocação, eram raiva e amor. Mas, para resumir, enquanto começo a escrever este post, só penso em seu título. Realmente estive no céu durante esses dias. E foi bom pra cachorro. Para começar, digo: amor incondicional é coisa pra macho.

Domingo, dia dos pais, acordo e me arrumo para buscar o velho para tomarmos um café da manhã em Monte Sião. Saio de casa e, na primeira esquina vejo cinco filhotinhos de vira-lata sob uma caçamba de lixo desesperados com a situação. Os coitados sentem-se protegidos pela caçamba ao mesmo tempo que têm pavor ao ouvi-la tremer com a passagem dos carros e caminhões que descem a rua rapidamente.

Meu Deus! Como alguém tem coragem de abandonar bichinhos dessa forma?! Como já no Pavablog: faltam-me palavras, sobram-me palavrões…  Corro para buscar o velho enquanto ligo para a esposa e peço para ela dar uma olhada neles. Quando volto encontro a Letícia por perto quase chorando com a cena. Cinco minutos depois eles estavam dentro de minha casa. E o meu velho, aos 70 anos e celebrando mais um Dia dos pais, ganhou de presente um jato de medo de um dos filhotinhos em seu blazer. Não entendeu? Sim, um dos bichinhos fez cocô de medo na roupa de meu pai… Pai é pai, avô é avô.

Voltando ao papo de amor incondicional, naquele momento já me senti assim. Bati o olho neles e já me senti apegado, atrelado e arraigado a todos. Meu coração já se sentia obrigado a fazer tudo que eu pudesse por eles. Um misto da alegria do pai do pródigo com a sede de justiça de Pedro ao cortar a orelha de Malco se apoderou de mim. Mas a raiva não teria muito espaço neste momento. Era hora de atitude.

Com a volúpia com que comiam a ração do Charlie e bebiam água, parecia que fazia muitos dias que não comiam. Meu Deus! Primeiros passos, preparar o quartinho para eles ficarem, ir à Cobasi comprar vermífugo, anti-pulgas e anti-carrapatos… Drontal, Vermivet, Cálcio, limpar a casa, saco extra de ração, limpar o pátio, limpar o pátio e limpar o pátio. Como esses bichinhos cagam! rsrsrs

OlíviaResumindo a história, um deles, um protótipo de cachorro, uma fêmea com poucos centímetros que só sabia abraçar a Letícia resolveu nos adotar como pais. A nova filha adotada – Olívia – tinha tanta sede quando chegou que foi batizada por uma aspersão quase imersiva.

O novo desafio era achar um lar para os outros. Família, contatos de amigos, emails em massa, panfletos distribuídos na região, álbum no Flickr, Facebook e muitos tweets e re-tweets. “Onlinemente” não houve retornos mas duas pessoas no trabalho da Letícia ficaram sensibilizadas com a história e cada uma levou um para casa. Que alegria!

O estafante trabalho que nos foi exigido começara a dar seus frutos. Era a sensação do comprido dever cumprido!

Agora, duas semanas se passaram e continuamos a cuidar dos dois filhotes que ainda estão conosco. Será ainda mais difícil o adeus.

Para mim, uma experiência extremamente cansativa porém instantaneamente gratificante. É quando chego ao “fazer o bem por amor”. Será que estou sendo redundante? É possível fazê-lo sem amar? Só sei que valeu a pena e estou saindo muito renovado desta experiência. Vi que existe dentro de cada ser humano muita força guardada para fazer o bem por graça, com graça, simplesmente de graça.

“De graça recebestes, de graça dai”

Também senti que ainda tenho muitos defeitos. Está difícil pensar mansamente a respeito das pessoas que abandonaram os filhotes. Essa de não impor condições para o amor é a new level. Um dia chego lá. Sério.

Amar incondicionalmente é mesmo coisa pra macho. E Deus é o macho-mor!

3 Comments

  1. Priscila Gil

    10 anos atrás

    Glau…chorei ao ver seu relato, pois sei o que passou em sua mente e como foram seus dias! Aqui em casa já adotamos dois cachorros de rua, como digo, meus vira-latas com pedigree.. =D Também já cuidei por 1 noite, 1 semana e até mesmo 1 mês de cachorros perdidos, apavorados e cheios de amor para dar. Meus olhos enchem de lágrimas ao ver esse bichinhos na rua, e se pudesse daria um jeito para cuidar de todos…mas infelizmente não tem como!!
    Esperamos que um dia as leis realmente punam estes que abandonam, maltratam ou usam o animal como meio de diversão… e enquanto isto, pedimos a Deus para que proteja a todos esses animais cheios de amor para dar incondicionalmente, e que nos fazem tão bem!!!
    Meu amigo, só tenho a dizer: PARABÉNS pelo seu ato e de sua esposa, e que Deus abençoe em dobro vocês por este ato de compaixão…
    Um grande beijo e sincero abraço…
    Pri Gil

    Reply
  2. Glauber Rodger

    10 anos atrás

    Que legal receber uma mensagem sua, Pri! 😀 Quem já passou por isso sabe que é algo marcante mesmo… Concordo com tudo o que você disse. Beijão!

    Reply
  3. Eleonora

    10 anos atrás

    Glauber e Letícia
    Parabéns, Parábéns e…Congratulations
    Vocês são seres…acho que caninos, porque dizer humanos já virou ofensa…
    Vocês sabem o que eu venho passando com os meus cachorros…
    E a cada dia mais e mais desses seres lindos, puros, simplesmente abandonados!!!!
    Abandonados, mortos de fome, atropelados, chutados, afinal…`são só cachorros…se os nossos governadores não cuidam nem das crianças que diriam dos cachorros! Faça lá o Cassab a Lei que proibe venda de cachorros de raça sem castrar, mas os vira-latas….ora, além de cachorros, ainda são vira-latas…que podiam esperar! Nem existem! Há até, vejam só, entidades que se dizem benfeitoras deles e que só fazem “o bem” por alguns, no intúito de arrecadar doações de empresas!!!! E seus criadores criam…lindos sites…quantos poderiam alimentar só com os sites…Mas afinal os humanos têm que viver…Humanos…estou realmente cansada deles!
    Quantos casais encontramos que tenham feito o que vocês fizeram UMA VEZ NA VIDA…se vocês souberem de algum me avisem…
    E vem à mente o velho dito tão sábio “Quanto mais eu conheço os seres humanos mais eu amo o meu cachorro…”…pois é…triste raça essa nossa, que se mata a ela mesma!
    Vocês meus queridos, fizeram diferença, para esses serzinhos que salvaram!
    beijos
    Eleonora

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *